GuidePedia

0
Treinador lembra goleada sofrida para o Tricolor e diz que momento das duas equipes não permite comparações com última partida. Técnico gosta do desempenho do time nos 4 a 0 sobre a Portuguesa

Nada melhor que um 4 a 0 antes de rever o adversário que o goleou por 4 a 0. É mais ou menos dessa maneira que o Flamengo vai para cima do Fluminense na semifinal da Taça Rio. Durante o segundo turno, com time reserva, o time de Carpegiani perdeu para o Tricolor, que revê na próxima quinta-feira, às 20h, no estádio Nilton Santos.

O treinador do Flamengo elogiou a equipe na goleada sobre a Portuguesa - gols de Éverton Ribeiro, Henrique Dourado (pênalti) e dois de Geuvânio, que entrou no segundo tempo. Carpegiani gostou da maneira como a equipe se comportou durante toda a partida, de forma paciente e sem afobação.

- Nós já esperávamos um jogo bastante difícil. A Portuguesa não havia perdido para os grandes. Fez uma pontuação no primeiro turno que era para ter decidido com a gente, mas eles sofreram um gol no último minuto e acabamos decidindo com o Boavista. Nesta fase também teve pontuação muito boa, até maior que a nossa. É uma boa equipe, mas conseguimos superar - disse o treinador do Flamengo.

Carpegiani se disse satisfeito com o time, que venceu o Emelec na última quarta-feira, pela Libertadores, em Guaiaquil, e voltou para viajar novamente até o Espírito Santo e conquistou mais três pontos na tabela da Taça Rio.

- Fomos equipe bastante tranquila dentro de campo. Gostei, não tivemos a pressa. Nosso objetivo final era classificar. Aspiramos ainda jogar a decisão desse campeonato. É um confronto só, não temos a vantagem. Agora (semifinal) é uma outra situação. Esperamos na quarta-feira pegar o Fluminense e passar para a próxima fase. São duas equipes de tradição, é outra circunstância e agora temos esse enfrentamento. Esperamos que na quarta-feira a gente seja muito feliz e consiga passar dessa próxima fase - lembrou Carpegiani.
Lições da derrota para o Flu para este jogo

- É um time totalmente diferente e eu não gostaria nem de pensar nisso agora, a partir de amanhã que eu vou pensar. É um clássico, com uma rivalidade muito boa, uma das mais acentuadas do futebol brasileiro. Se nós estivéssemos com a vantagem ou desvantagem, mas são 90 minutos que vão decidir. Nós temos a missão de conseguir também o título desse segundo turno e só não vamos conseguir se nós realmente não formos melhores que o adversário.

Vaias para Henrique Dourado e paciência do torcedor

- Não sou a pessoa mais apropriada para te dizer sobre isso, porque eu não comento futebol, estou dando uma resposta a vocês. Cabe aos analistas ver se ele está sendo prejudicado em função disso ou não (esquema tático). Eu confio no jogador, e assim como confio nele, confio em toda a minha equipe. Eu não tenho 11, eu tenho um grupo e vamos usar da melhor maneira. Eu acho que essa impaciência do torcedor é em função do que era no ano passado, essa mesma equipe disputou duas, três finais e ganhou o Campeonato Carioca. Então há uma certa impaciência talvez por não ter tido a oportunidade de passar de fase na Libertadores. O torcedor tem que ter paciência sim, tem que ter paciência com essa equipe. Tem que ter paciência, não somente com o Dourado, mas para com todos. Está sendo constituído um novo grupo. Vocês falam no 4-1-4-1, mas eu acho que jogamos no 4-3-3 muitas vezes, mas eu não quero discutir nada disso. Vocês é que realmente tem o poder, tem a vocação de fazer qualquer tipo de análise.

Elogios à Geuvânio

- Eu digo que dos meus jogadores, todos eles, do goleiro ao Dourado, todos os meus 30 jogadores que estão inscritos na Libertadores, estou muito confiante e convicto. E a maior prova disso, que estou confiante e convicto é o Geuvânio, um jogador que estava aí à espera de uma definição, eu gostei muito quando eu cheguei, estava esperando dar a oportunidade e ele foi paciente e está reconquistando o seu espaço. Então isso é importante, e hoje ele faz parte desse mesmo grupo dos 30. Essa é a resposta que eu poderia dar. Assim que tiveram paciência com o Geuvânio, ele está saindo, está nascendo de novo, eu acho que o Dourado merece essa consideração também, porque é um menino que faz parte do elenco do Flamengo. A torcida tem que ter paciência sim, senhor.

Duelo Jonas x Cuéllar

- São dois grandes jogadores. O Jonas sentiu um pisão e não aguentou, não teve condições de continuar no 2º tempo. São jogadores com características um pouco distintas, diferentes. O Jonas é aquele típico volante e o Cuéllar é um cara que toca mais, que sai. São jogadores que poderão também jogar amanhã juntos, mas são características um pouco diferentes. Eu fico satisfeito por termos os dois, e por ter mais outros jogadores no meio também. É uma questão de opção momentânea ou não, um dia joga um, outro dia joga o outro, mas estou satisfeito com aquilo que tenho. Só quero dizer que são jogadores um pouco distintos, de características diferentes. Então a minha preferência um dia pode ser por um e depois posso voltar a minha preferência por outro. O importante é que eles estão no grupo para serem usados.

Ausências deixam Vizeu no "final da fila"?

- O Vizeu foi uma situação que apareceu pra mim, e nada mais justo porque eu tinha levado já o próprio Lincoln pra fora pra jogar e que ele tivesse a permanência agora. Conversei com ele e ele faz parte do grupo. Ele deverá voltar normalmente no próximo jogo. Como eu sempre converso com ele, ele estará à disposição para o próximo jogo sim.

Avaliação de Vinicius Jr e condições de ser titular

- Eu fico muito satisfeito, nas mesmas condições do Jonas e do Cuéllar, eu vou te dizer que eu tenho várias opções para serem utilizadas. A questão de escolha, de quem vai iniciar, o jogador que pode entrar no segundo tempo às vezes melhor e quando houver necessidade, eu estou muito satisfeito com o elenco que eu tenho. Na mesma condição, na mesma proporção do Jonas com o Cuéllar é o Vinícius com o Paquetá. Estou muito satisfeito com o grupo que eu tenho, isso é o mais importante. Quem vai começar o jogo? Eu tenho um carinho muito especial pelos dois e isso não faz diferença.

FONTE: GLOBO ESPORTE 

Postar um comentário

 
Top