GuidePedia

0

Treinador completa 30 dias no comando do time. Em cinco jogos, restaurou confiança e favoreceu entrosamento com manutenção de equipe. Após empate com Palmeiras, tem pontos a corrigir


Há exatos 30 dias, Dorival Júnior chegava ao Flamengo como última cartada da diretoria para salvar a temporada. Tinha 12 jogos pela frente no Brasileirão e um time ainda baqueado pela eliminação da Copa do Brasil - último ato de Maurício Barbieri no comando. Um mês se passou, e o treinador não perdeu nenhum jogo. Empatou dois, e ganhou três com propriedade.


Dorival já imprimiu seu estilo e suas preferências no time. Realizou mudanças positivas, mas, sobretudo após o empate diante do Palmeiras no fim de semana, sabe que tem pontos a se atentar para as rodadas restantes da temporada. Faltam sete jogos, e o Rubro-Negro está a quatro pontos do líder.

Manutenção de um time base
Diante do Palmeiras, Dorival manteve pelo quarto jogo consecutivo o mesmo time titular. Desde o duelo diante do Corinthians, dia 5 de outubro, sua equipe tem sido: César; Pará, Léo Duarte, Réver, Renê; Cuéllar, Arão; Paquetá, Éverton Ribeiro, Vitinho; Fernando Uribe. O grupo ressalta que a sequência tem favorecido um melhor entrosamento. Vale destacar que, ao contrário de Barbieri, Dorival tem tido as chamadas semanas cheias de treinamento, sem jogos no meio de semana.

Barrou ''medalhões''. E teve dor de cabeça com um deles
Experiente, Dorival também teve pulso. Na semana passada, para o jogo diante do Paraná, barrou do time titular duas lideranças e referências do Flamengo: Diego Alves e Diego Ribas. O camisa 10 ficou dois jogos no banco - entrando no decorrer do jogo - e não demonstrou incômodo com a decisão do técnico.

O goleiro, por sua vez, protagonizou uma crise interna. Diego Alves se recusou a viajar para Curitiba ao saber que seria banco de César - que vinha jogando enquanto ele se recuperava de lesão. O assunto segue sendo tratado internamente, mas o clima ainda é complicado para o camisa 1. Ele sequer ficou no banco no empate diante do Palmeiras. No entanto, esteve no Maracanã para apoiar os companheiros.

Definiu, enfim, o centroavante

Desde a saída de Guerrero, o Flamengo vivia um rodízio de centroavantes. Sob o comando de Barbieri, Uribe, Henrique Dourado e Lincoln revezavam oportunidades. Como não se destacavam, era difícil manter uma sequência. Em seu primeiro jogo, no empate diante do Bahia, Dorival não contou com Uribe (que fazia trabalho de fortalecimento) e nem Dourado (suspenso).
Lincoln foi o titular. Depois disso, o técnico bancou Uribe como seu homem de área titular e fez o colombiano ressurgir no clube. Foram três gols nos últimos quatro jogos.

Oportunidades e confiança

Houve um resgate de uma confiança que estava em falta. Neste caso, Vitinho é sem dúvidas o melhor exemplo. Maior contratação da história do Flamengo, ele não engrenou em sua chegada. Faltava ritmo, claro, além de ter entrado no meio de uma sequência pesada de jogos decisivos. No entanto, com Dorival ele passou a ter mais liberdade e menos ansiedade para mostrar o melhor do seu futebol.

Marcou gol, deu assistências e tem tido mais liberdade no esquema de jogo para atacar pela esquerda. Se com Barbieri ficou no banco algumas vezes e chegou a ser substituído após entrar e ficar 35 minutos em campo, hoje é titular e peça importante para Dorival.
Vale ressaltar que Dorival Júnior tem tentado demonstrar a todos os jogadores a ''importância'' de cada um. Vale olhar as substituições do treinador ao longo desses cinco jogos. Tem tentado dar oportunidade para vários atletas do elenco ao longo das partidas.

Os alertas após tropeço

No entanto, nem tudo são flores. Após três vitórias maiúsculas, o Flamengo voltou a ter dificuldades em um jogo de caráter decisivo. O empate diante do líder Palmeiras, em um Maracanã lotado, serviu como primeiro alerta para o trabalho de Dorival Júnior.
Diante de uma defesa bem postada e um time que tentou se expor o mínimo possível, sua equipe não conseguiu criar muitas alternativas para furar o bloqueio. Além disso, o Flamengo voltou a ter problemas com a marcação de laterais - o gol de Dudu foi nas costas de Pará.

No fim de semana, o Rubro-Negro terá a missão de buscar pontos importantes no Morumbi, diante do São Paulo. É fundamental o resultado para impedir que o Palmeiras, quatro pontos na frente, se distancie mais.






Fonte: Globo Esporte 

Postar um comentário

 
Top